Para compartilhar idéias!







sábado, 9 de maio de 2020

Maringá tem nome de mulher - uma homenagem aos 73 anos da cidade

Apesar de conhecer a formação da cidade de Maringá e sua história de exclusão, a começar pela formação de bairros separados para os pobres e trabalhadores, a não valorização das mulheres que aqui chegaram, a invisibilidade da comunidade negra e silêncio diante da expulsão dos indígenas que habitavam a região, a destruição da mata para erguer a cidade, entre tantos outros problemas, me orgulho de ser maringaense e ver como esta cidade cresceu e se projetou no cenário nacional.
Muito desse crescimento se deve a pioneiros e pioneiras, na maioria das vezes anônimos, mas que contribuíram para formar a cidade e construíram suas famílias aqui.
A cidade de Maringá que tem nome de mulher, constituiu ao longo das décadas uma sólida rede de atendimento às mulheres em situação de violência.  Cada grupo de mulheres, cada estadual ou municipal deixou sua semente na consolidação da rede de atendimento.
Pelo lado da sociedade civil, não podemos ignorar a existência de grupos de mulheres que lutaram e lutam pela presença da mulher na política, pelo fim da violência contra a mulher, pela inclusão e pelos direitos das mulheres.
Relembro aqui, para deixar registrado a importância desses grupos: o grupo Vez e Voz da Mulher, a União de Mulheres Maringaenses e  a União Brasileira de Mulheres, os quais atuaram nos anos 1990 e início dos anos 2000; o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques, a Associação Maria do Ingá Direitos da Mulher, o Coletivo Maria Lacerda, setores de mulheres em entidades de classe, partidos políticos e sindicatos que começaram sua atuação no início dos anos 2000. Atualmente, tem-se o Forum Maringaense de Mulheres, a Associação LGBT,  a Ong Resistrans, o Grupo Nenhuma a Menos e o grupo Flor de Lotus que se formaram em meados dos anos 2010 e em 2020.
Muitos desses grupos compõem o Conselho Municipal da Mulher de Maringá (CMMM), criado em 1996 e reestruturado em 2001. Em 2019, o CMMM recebeu homenagem na Câmara Municipal de Maringá por sua atuação ininterrupta desde 2001.
Pelo lado do setor público, tem-se a instalação da Delegacia da Mulher, que é um órgão ligado a Polícia Civil do Paraná, presente na cidade desde os anos 1990. Em 1992, surge o primeiro projeto de Casa Abrigo, no entanto, a casa foi implantada muito tempo depois.
A partir de 2001, inicia-se, em Maringá, a rede de atendimento municipal.
A primeira estrutura municipal voltada ao atendimento para as mulheres em situação de violência foi a Assessoria da Mulher instalada no governo do saudoso Prefeito José Cláudio (PT). Com uma equipe de duas pessoas, coordenada pela assessora, a professora Zica Franco, o órgão rapidamente reestruturou o CMMM que estava inoperante, criou vínculos com a Delegacia da Mulher, com os grupos de mulheres da cidade e colocou na pauta da cidade, de forma institucional, a luta pelo fim da violência contra a mulher.
Em 2005 (governo Silvio Barros), a Assessoria da Mulher foi transformada em Secretaria da Mulher, tendo como a primeira secretária da mulher, Terezinha Beraldo.
Dado a plataforma de governo do Presidente Lula de inclusão das mulheres, com a criação da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, em 2003, a Secretaria da Mulher de Maringá fortaleceu-se com a implantação do CRAMM – Centro de Referência de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência, a criação da Casa Abrigo e o aumento de recursos humanos e infra-estrutura física da secretaria. Inicia-se também projeto de cursos como forma de gerar emprego e renda para mulheres.
Em 2006, é promulgada a Lei Maria da Penha que contribui com a luta pelo fim da violência contra a mulher e exige novos organismos de atuação e preparação de profissionais da polícia, saúde e judiciário para o atendimento as exigências da Lei.
Maringá, firme em sua defesa dos direitos das mulheres e pelo fim da violência, recebe, também, a Vara de violência doméstica, como forma de fortalecer, ainda mais, a atuação em defesa da vida das mulheres.
Em 2018 (Gestão Ulisses Maia e Secretária da Mulher Aracy Adorno Reis), a Guarda Municipal, também foi incorporada na luta pelo fim da violência contra a mulher, com a criação da Patrulha Maria da Penha que atende as mulheres em situação de violência.
 Em 2019 (Gestão Ulisses Maia e Secretária Claudia Palomares), a Secretaria da Mulher passa a se chamar Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres.
É gratificante saber que uma cidade que tem nome de mulher, como Maringá, em homenagem a uma música, possui e mantém uma estrutura física e de recursos humanos para políticas públicas para mulheres.
Problemas existem, é claro e são muitos, a começar pela ausência da mulher maringaense que atua em tantas frentes na cidade, mas que não obtém a mesma expressão na política, com uma câmara de vereadores sem representação feminina e com um executivo que nunca teve uma prefeita ou uma vice-prefeita.
Mas, de qualquer maneira, nesses 73 anos, Maringá tem muito a comemorar!
Parabéns para as mulheres maringaenses, anônimas ou não, cada servidora estadual e municipal, secretárias da mulher, conselheiras da mulher, entidades da mulher, mulheres cargos de confiança, entre outras, que contribuíram e contribuem para que Maringá seja referência na luta pelos direitos das mulheres.
Parabéns Maringá, uma cidade que combina a experiência e a força de uma idosa com os arroubos e sonhos da juventude.

Tania Tait, professora da UEM (aposentada), escritora,  Coordenadora da Ong Maria do Ingá Direitos da Mulher, Secretária de Administração na Gestão 2001-2004, Presidente do Conselho da Mulher por duas gestões (200-2006 e 2017-2019). Autora do livro: As mulheres na luta política.

7 comentários:

  1. Maravilhosa homenagem, parabéns a Maringá, as mães e mulheres que nela vive 👏👏👏

    ResponderExcluir
  2. Parabéns companheira!Sua luta ,sua caminhada histórica nos dá orgulho e força para continuar,rompendo o silêncio e invisibilidade.Obrigada.UBUNTU.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, lindo artigo , bom poder contar sempre com sua boa escrita que nos trazem fatos tão significativo de nossa bela cidade!

    ResponderExcluir
  4. Vc é demais, mulher.
    Obrigada por nos representar.
    Abraço.

    ResponderExcluir