Para compartilhar idéias!



quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal e Feliz Ano Novo!!!

Que o espírito do Natal, que significa amor em seu sentido mais profundo, permaneça em nossas vidas durante todo o ano de 2015. Que possamos construir um mundo sem machismo, sem homofobia, sem racismo, sem preconceito e sem violência de qualquer tipo! Desejo um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de muita saúde, muita paz e muito amor! E aproveitem as festas!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Dilma Presidenta do Mercosul

Orgulho do Brasil fortalecendo e elevando a nossa América do Sul que foi tão explorada e sofrida ao longa da sua história. Orgulho de ter uma mulher, brasileira e forte, a frente de mais essa empreitada.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Emoção na entrega do Relatório da Comissão Nacional da Verdade

10 de Dezembro de 2014: Entrega do Relatório da Comissão Nacional da Verdade que apura crimes da ditadura militar. Ao se emocionar, Dilma disse que "o Brasil merecia a verdade, que as novas gerações mereciam a verdade, sobretudo aqueles que perderam familiares, parentes, amigos, companheiros, e que continuam sofrendo "como se eles morressem de novo e sempre a cada dia". Durante a pausa, Dilma foi aplaudida. "Nós que acreditamos na verdade esperamos que esse relatório contribua para que fantasmas de um passado doloroso e triste não possam mais se proteger nas sombras do silêncio e da omissão", afirmou a presidente, que foi torturada durante o regime militar. Ela já havia se emocionado na cerimônia em que a Comissão da Verdade foi instalada, em 2012. Fonte: www.uol.com.br

A Revoltada Paranaense

Não fui eu quem endividei o meu Paraná, inclusive sempre paguei meus impostos em dia. Até já representei o meu Paraná no exterior em eventos científicos, como tantos colegas. Portanto, me dou o direito: a "revoltada paranaense" hoje sou eu. Graças ao Beto Richa e seus deputados, vou ter que voltar a pagar 11% de ParanáPrevidência mesmo sendo professora aposentada, vou ter que pagar 40% a mais de IPVA e vou ter que pagar mais caro pra comer - tudo por causa desse Beto Richa e desse povo que o elegeu. E aí eleitores do Beto Richa vão me apoiar agora? Ops, esqueci, não encontro ninguém que votou nele, parece até que a eleição foi fraudada. Lembrando que hoje é o Dia Internacional dos Direitos Humanos!

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Entrevista sobre a violência contra a mulher

http://pr.ricmais.com.br/parana-no-ar/videos/maringa-conta-com-estrutura-completa-para-atender-mulheres-vitimas-de-violencia/

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

25 de Novembro: Dia Internacional pela Não Violência contra a Mulher

Todo ano são realizadas diversas atividades no Dia Internacional pela Não Violência contra a Mulher que culmina, em todo mundo, com os 16 dias de ativismo pelo fim da violência. Esse movimento pela não violência é realizado tanto pelo setor público como por entidades da sociedade civil organizada. No entanto, a despeito de tantos esforços, a violência contra a mulher em todo o mundo continua em níveis alarmantes. No dia 21/11, a OMS – Organização Mundial da Saúde divulgou dados de um estudo que mostra que: uma em cada três mulheres no mundo é vítima de violência conjugal; em todo o mundo, entre 100 milhões e 140 milhões de mulheres jovens e adultas sofreram mutilações genitais, e cerca de 70 milhões de meninas se casaram antes dos 18 anos, frequentemente contra a sua vontade, e 7% das mulheres correm risco de ser vítimas de estupro ao longo da vida. Tanto a OMS como a ONU (Organização das Nações Unidas), preocupados com a violência contra a mulher cobram, dos países, iniciativas que combatam esse crime considerado crime de direitos humanos. No Brasil, iniciativas como o Disque 180 do Governo Federal e a Lei Maria da Penha, promulgada em 2006, entre outras ações tem como propósito auxiliar as mulheres vítimas de violência. Campanhas como Laço Branco - Homens pelo fim da violência contra a mulher, Disque 180 – Nós Ligamos, entre outras procuram engrossar a fila das campanhas em prol do fim da violência contra as mulheres. A despeito de todo esse aparato de proteção, a violência contra as mulheres segue vitimando milhares de brasileiras. Dados da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (2014) apresentam que 77% das mulheres em situação de violência sofrem agressões semanal ou diariamente. Nos primeiros seis meses de 2014, o Ligue 180 realizou 265.351 atendimentos, sendo que as denúncias de violência corresponderam a 11% dos registros – ou seja, foram reportados 30.625 casos. Em 94% deles, o autor da agressão foi o parceiro, ex ou um familiar da vítima. Os dados mostram ainda que violência doméstica também atinge os filhos com frequência: em 64,50% os filhos presenciaram a violência e, em outros 17,73%, além de presenciar, também sofreram agressões. Entre os tipos de violência informados nos atendimentos realizados pelo Ligue 180, os mais recorrentes foram a violência física (15.541 relatos); seguida pela psicológica (9.849 relatos); moral (3.055 relatos); sexual (886 relatos) e a patrimonial (634 relatos). Ao tipificar os tipos de violência, incluindo a violência psicológia, moral, sexual e patrimonial, a lei mostra a verdadeira face da violência contra a mulher que não se mostra além dos hematomas no corpo, ferindo sua dignidade como pessoa e cidadã. A Rede de Atendimento as Mulheres Vítimas de Violência procura dar atendimento as mulheres de forma integral, entretanto, os movimentos organizados de mulheres em todo o Brasil, denunciam sistematicamente a falta de integração dos serviços e a precariedade de infra-estrutura e de pessoal capacitado para atender as mulheres vítimas de violência e as dificuldades das mulheres de cidades de pequeno porte que não dispõem de nenhum tipo de atendimento, seque de Delegacia da Mulher. O Programa lançado pelo Governo Federal, Casa da Mulher Brasileira visa, entre outros objetivos, sanar essa lacuna, colocando todos os serviços de atendimento a mulher em um único local. No Paraná, a Casa da Mulher Brasileira está sendo construída em Curitiba, que inclusive figura como o terceiro Estado em violência contra a mulher. Iniciativas governamentais e a presença da sociedade civil organizada possuem como objetivo único combater sistematicamente a violência contra a mulher e dar um basta na violência que fere os direitos humanos. Por sua vez, a sociedade não pode se eximir de sua responsabilidade. Ao fazer de conta que a violência não existe ou não é problema, a sociedade permite que, cada vez mais, mulheres sejam assassinadas e os assassinos saiam impunes de qualquer tipo de crime de violência. Ao se tratar de uma questão cultural, muitos homens se sentem dono do corpo e da alma da mulher, podendo dispor dela como lhe convém. Torna-se, dessa forma, primordial que eduquemos nossas mulheres e nossos homens, nossas crianças e jovens para o respeito mútuo e pela não violência contra a mulher ou qualquer outro tipo de violência e pelo combate firme contra o preconceito e o machismo que leva a violência contra a mulher. Não se pode mais silenciar diante da violência contra a mulher. Nem todo o aparato legal, policial e governamental fará sentido, se ficarmos fazendo de conta e reproduzirmos internamente, aquela máxima antiga de que “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Temos que nos mobilizar constantemente antes que mais vidas sejam ceifadas em nome de um “suposto amor” que mata nossas mulheres. Devemos ter sempre em mente que “quem ama, não mata, respeita!” Tania Tait. Professora, Doutora em Engenharia de Produção, coordenadora da ong Maria do Ingá – Direitos da Mulher, Coordenadora do Forum Maringaense de Mulheres e membro do Núcleo de Mulheres do Sinteemar.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Uma em cada três mulheres é vítima de violência doméstica

Uma em cada três mulheres no mundo é vítima de violência conjugal, adverte a Organização Mundial da Saúde (OMS) em uma série de estudos publicada na sexta-feira (21) na revista médica "The Lancet". Apesar da maior atenção dada nos últimos anos à violência contra mulheres e meninas, esta ainda se mantém em níveis "inaceitáveis", segundo a OMS, que considerou insuficientes os esforços feitos. Em todo o mundo, entre 100 milhões e 140 milhões de mulheres jovens e adultas sofreram mutilações genitais, e cerca de 70 milhões de meninas se casaram antes dos 18 anos, frequentemente contra a sua vontade, enquanto 7% das mulheres correm risco de ser vítimas de estupro ao longo da vida, destacaram os autores destes estudos. A violência, "exacerbada durante os conflitos e as crises humanitárias", têm consequências dramáticas para a saúde mental e física das vítimas, acrescentou a OMS. Fonte: www.uol.com.br. em 21/11/2014

Núcleo de Mulheres do Sinteemar convida para palestra

Convite do Núcleo de Mulheres do Sinteemar: palestra com a Advogada Jacheline Batista Pereira no dia 25/11, as 9 hs no Auditório do Sinteemar. Todos e todas são convidados (as). Mais detalhes em www.sinteemar.com.br

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Retirada de placas de obras públicas.

Sempre dois pesos e duas medidas né povo. Estão falando que o PT mandou tirar placas de governos da ditadura militar. Aqui em Maringá o governo municipal do PP - Partido Progressista tirou a placa da Praça de Atendimento da Prefeitura de Maringá, inaugurada na Gestão do Prefeito José Claudio do PT, de junho de 2003, que, inclusive, funciona até hoje. Ninguém falou nada. Como é do PT pode tirar, né?...Olha aí a foto de 2003, o José Claudio e eu, inaugurando a Praça. Por que será que do sumiço dessa placa ninguém reclamou?

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Meu depoimento sobre a ditadura militar.

Agora é o meu depoimento sobre a ditadura militar: Não fui torturada, nem perseguida e nem marcada. Talvez tenha meu nome em algum papel por aí por ter participado do movimento estudantil no anos início dos anos 1980, final da ditadura militar. Terminei minhas duas faculdades tranquilamente (Processamento de Dados e Administração), meu mestrado e doutorado, sem problemas. Portanto, antes que alguém pense bobagem: não sou militante perseguida pela ditadura militar e, muito menos sou a favor da corrupção. Mas, me sinto na obrigação de dar meu depoimento. Eu era criança e adolescente na ditadura militar, que foi instaurada no Brasil em 1964, e me lembro de algumas coisas como: professores que eram vigiados e não podiam falar sobre política econômica, governador era indicado, meu pai comentando que as pessoas simplesmente sumiam quando falavam mal dos governos militares e nos desfiles a gente usava uma fitinha no braço verde amarela escrito "Brasil Ame-o ou deixe-o" que a gente não entendia. Teve professores da UEM que, também, foram presos e torturados. Tínhamos aquelas aulas estranhas de "Educação Moral e Cívica" em que se falava mal do comunismo, de Cuba, da Russia (que era URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas)e se falava muito bem dos EUA. E quando perguntávamos alguma coisa diferente sobre eleições, por exemplo, o professor desconversava. Agora entendo que se ele falasse alguma coisa, ia preso. Anos depois eu li Batismo de Sangue do Frei Beto e Brasil Nunca Mais de D. Helder Câmara. E li As veias abertas da América Latina de Eduardo Galeano. Aí comecei a entender algumas coisas que não compreendia, apenas achava estranho. Agora acompanho o trabalho da Comissão da Verdade sobre o que aconteceu na ditadura militar. E pra mim está bem claro: DITADURA NUNCA MAIS, DEMOCRACIA SEMPRE, POR MAIS QUE DOA NOSSOS CANDIDATOS PERDEREM AS ELEIÇÕES, É SEMPRE MELHOR TER O DIREITO A LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DE ESCOLHA.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

E na Câmara de Vereadores de Maringá...

Fomos (Irma, Zica e eu) na sessão da Câmara de Vereadores de Maringá para tratar do projeto de restruturação do Conselho da Mulher, o qual foi suspenso por duas sessões para apreciar o substitutivo do vereador Humberto Henrique que encampou a proposta do Forum Maringaense de Mulheres e a nova proposta do Executivo Municipal. Aliás, a nova proposta do executivo detalha os seguimentos que devem compor o Conselho que não constava no projeto anterior. Voltaremos na semana que vem...Participamos da entrega do prêmio de cidadã benemérita para a primeira vereadora de Maringá, Sebastiana Costa, que assume o nome de Tania Costa. Aproveitamos e permanecemos para a pauta das eleições das direções nas escolas municipais. E, junto com os Sismmar e professoras presentes ficamos frustrados e indignados. Nove vereadores assinaram o projeto para voltar as eleições nas escolas, mais de 2500 trabalhadores da educação assinaram o projeto e na hora da votação: 7 a favor e 8 contrários; Como assim? Dois vereadores (Da Silva e Bravin) que assinaram o projeto pelas eleições votaram contra o próprio projeto. E pra fechar com chave de ouro tinha três diretoras aplaudindo a votação, em pleno horário de trabalho, já que a sessão começou as 16 hs.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Conselho da Mulher de Maringá

Sem trégua nem descanso! Na luta, sempre! Projeto de alteração do Conselho da Mulher de Maringá proposto pelo Executivo Municipal será discutido na Câmara de Vereadores amanhã - quinta-feira, as 16 hs, Quem puder, (nesse horário absurdo para participação popular), participe. A nossa presença sempre é garantia de nossas conquistas.

sábado, 1 de novembro de 2014

Novembro: pelo fim da violência contra a mulher

Agora entramos em novembro. Mes que marca a luta pelo fim da violência contra a mulher. Dia 25 de novembro é o Dia Internacional pelo fim da violência contra a mulher. De 25 de novembro a 10 de dezembro participamos do evento internacional "16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher". Sempre alertas! Nessa luta que é de todas e todos nós que lutamos pelo fim da violência contra a mulher e pelo fim de todas as formas de discriminação.

domingo, 26 de outubro de 2014

Dilma 13! Coraçao Valente!

Com alegria, vamos votar Dilma 13! Coração Valente!

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Mensagem da presidenta Dilma Rousseff

"Todos os eleitores sabem da campanha sistemática que esta revista move há anos contra Lula e contra mim. Mas desta vez a Veja excedeu todos os limites. Desde que começaram as investigações sobre ações criminosas do senhor Paulo Roberto Costa, tenho dado total respaldo ao trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público. Até a sua edição de hoje, às vésperas da eleição em que todas as pesquisas apontam minha nítida vantagem sobre meu adversário, a maledicência da revista Veja se limitava a insinuar que eu poderia ter sido omissa na apuração dos fatos. Isso já era um absurdo, isso já era uma tremenda injustiça. Hoje, a revista excedeu todos os limites da decência e da falta de ética, pois insinua que eu teria conhecimento prévio dos malfeitos na Petrobras, e que o presidente Lula seria um dos seus articuladores. A revista comete essa barbaridade, esta infâmia contra mim e Lula sem apresentar a mínima prova. Isso é um absurdo. Isso é um crime. É mais do que clara a intenção da Veja de interferir de forma desonesta e desleal nos resultados das eleições, a começar pela antecipação da sua edição semanal para hoje, sexta-feira, quando normalmente chega as bancas no domingo. Mas como das outras vezes, e em outras eleições, Veja vai fracassar no seu intento criminoso. A única diferença é que ela não ficará impune. A justiça livre deste país seguramente vai condená-la por este crime. Ela e seus cúmplices tampouco conseguiram sucesso no seu intento de confundir o eleitor. O povo brasileiro tem maturidade suficiente para discernir entre a mentira e a verdade. O povo brasileiro sabe que não compactuo nem nunca compactuei com a corrupção. A minha história é um testemunho disso, e sabe que farei o necessário, doa a quem doer, toda vez em que houver necessidade de investigar e de punir os que mexem com o patrimônio do povo. Sou uma defensora intransigente da liberdade de imprensa. Mas a consciência livre da nação não pode aceitar que, mais uma vez, se divulgue falsas denúncias no meio de um processo eleitoral em que o que está em jogo é o futuro do Brasil. Os brasileiros darão sua resposta à Veja e seus cúmplices nas urnas. E eu darei a minha resposta a eles na Justiça."

Mulheres com Dilma!

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Mulheres do Brasil!

Mulheres do meu Brasil, vamos prestar atenção no candidato a presidência da república e sua atitude com relação as mulheres, além dele representar a velha política. Primeiro agrediu namorada, segundo destratou a candidata Luciana Genro do Psol no 1. turno e terceiro, destrata a Presidenta Dilma, uma senhora, além de ser Presidenta e candidata como ele. Imagina o que esse candidato fará com as políticas públicas para as mulheres e com a nossa luta pelo fim da violência contra a mulher. Fui Presidenta do Conselho da Mulher de Maringá, atuei depois como representante da UEM e sou Coordenadora da Ong Maria do Inga´-Direitos da Mulher. Nessa trajetória vi de perto dois tipos de gestores: os que respeitam as mulheres e os que não respeitam. Esse comportamento se reflete na atuação no estabelecimento de políticas para mulheres que melhoram a vida de mulheres, homens e crianças. Se o candidato tem esse comportamento machista e excludente na frente das câmara para que todos vejam, imagina o tipo de comportamento que tem longe das câmaras e se for detentor de poder. Com muito respeito e muita responsabilidade! Voto e confio em Dilma 13!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Defesa das idéias!

Hoje acordei sem paciência. E eu vou envelhecendo e não vejo tudo mesmo. Vão ficar com dó do ator Aécio agora? E o mensalão do PSDB de Minas Gerais e o trensalão do PSDB de São Paulo não serão transmitidos ao vivo por que? E por que sumiram da imprensa? Não vejo as pessoas discutindo projetos políticos para o Brasil, apenas ofensas e mais ofensas. Aprendam a ler os programas de governo e defendam suas idéias com propriedade. E aí vai minha homenagem ao Partido dos Trabalhadores e Trabalhadoras que sempre defendeu os direitos das pessoas e as políticas sociais para um Brasil mais justo! Sempre com respeito e responsabilidade!!!

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Mulheres: Retrocesso no Paraná

Retrocesso no Paraná para nós mulheres, antes tínhamos 4 deputadas, agora temos três no total de 54 cadeiras, ou seja, são 51 deputados e 3 deputadas. E, pelo que sabemos, são deputadas eleitas que não compreendem os nossos problemas como a necessidade de escolas em tempo integral, saúde da mulher, a violência contra a mulher, entre tantas demandas de políticas públicas para mulheres. Esperamos que apesar de não compreenderem, aprendam a defender os direitos das mulheres. Mas, temos que refletir, se somos mais de 52% da população por que as nossas mulheres não são eleitas e não são a maioria na política? Por que nossa presença nos partidos políticos é fraca? Pelo jeito, ainda temos muito que fazer.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

O ódio não faz bem pra democracia!

Bom dia, não vou comentar no seu face, pois acho deselegante me intrometer na sua área mas não posso silenciar diante do que li. Não fomos nós do PT que inventamos a corrupção, infelizmente ela está enraizada na cultura brasileira desde a compra de recibos pra burlar o IR até o 50,00 pro guarda não multar. E o PSDB é o primeiro no ranking da corrupção no Brasil. Inclusive, penso que, independente do partido político quem faz coisa errada tem que ser punido e pagar por isso. Agora, por favor, não propague esse ódio ao PT pois certamente não contribui com a democracia. Diga que concorda com a filosofia do PSDB de privatizar todos os serviços (educação, saúde etc) e de se aliar ao Estados Unidos de forma subserviente que fica mais bonito.

sábado, 27 de setembro de 2014

Mulheres na política!

Nós mulheres estamos em todos os lugares, mas na política nossa presença ainda é muito pequena e desproporcional ao tamanho da grande contribuição que damos a sociedade. Pelo equilíbrio na política com mulheres e homens atuando de forma igualitária, Pela presença da mulher na política! Vote Tania Tait 13789

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A política desacreditada: a quem interessa?

A política é tida como a “arte de bem governar os povos”. Em nosso sistema, os políticos são divididos em poder executivo (presidente, governadores e prefeitos) e legislativo (senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores). Também, faz parte da estrutura cargos comissionados em todas as instâncias da esfera pública. Trata-se de uma infinidade de pessoas que deveriam ser responsáveis por agilizar os processos e a execução de ações públicas em benefício da população. No entanto, o que se vê é um descaso com a coisa pública e com a população. A política e os políticos, em geral, estão desacreditados. A política está sendo vista como algo sujo e ruim. Mas, afinal, quem lucra com a falência da instituição política senão os maus políticos, aqueles que roubam, superfaturam obras por benefícios escusos, praticam corrupção e não realizam as suas tarefas de trazer bem-estar para o povo. Felizmente, ainda temos políticos honestos e reconhecidos por atuarem sempre em defesa de projetos que promovam qualidade de vida e o bem-estar da população. Está em dúvida com os políticos? Acompanhe a história de vida de candidatos e candidatas, veja o que defenderam e de que lado sempre estiverem. Voce poderá encontrar pessoas honestas e que sempre atuaram em benefício da população. Exerça seu voto responsavelmente. O voto é a melhor ferramenta que temos para tirar os maus políticos da vida pública e colocar pessoas que se preocupem verdadeiramente com nossas cidades, nosso estados e nosso país.

Gleisi e as universidades estaduais paranaenses

Hoje, dia 24, pela manhã, participamos de reunião com a professora Lígia Pupato, coordenadora do programa da candidata ao Governo do Paraná, Gleisi Hoffmann. Na reunião foram tratados os problemas das universidades e as propostas de Gleisi para valorizar nossas universidades e a integração com o desenvolvimento regional. Foram duas reuniões. Na primeira, estiveram presentes com a professora Lígia, o deputado estadual Enio Verri, o reitor eleito Mauro Baesso e o vice-reitor Julio Damasceno. Nessa reunião foi apresentado a proposta da Gleisi para as universidades e pedido apoio ao reitor recém-eleito. Tratou-se também da necessidade de governantes que entendam a importância das universidades para o desenvolvimento das regiões e a estratégia para essa atuação. Na segunda reunião, contamos com a presença do deputado estadual Enio Verri (candidato a deputado federal), Presidente do Sinteemar, Celso Nascimento, da Presidenta do Sismmar, Iraídes Baptistoni, do coordenador da reunião, prof. Reginaldo Dias, professores e funcionários da UEM, diretores do Sinteemar e membros da comunidade externa.

sábado, 20 de setembro de 2014

Polos tecnológicos regionais

Pelo desenvolvimento regional com sustentabilidade e inovação tecnológica, Por polos tecnológicos regionais, Vote Tania Tait Deputada Estadual 13789 e Gleisi Governadora 13

Gleisi em Maringá

Na foto: Gleisi Governadora 13, Gomyde Senador 650, Enio Verri Deputado Federal 1330 e Deputada Estadual Tania Tait 13789

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

domingo, 14 de setembro de 2014

A INVISIBILIDADE DA MULHER CANDIDATA NAS ELEIÇÕES

Histórica e estatisticamente, as mulheres eleitas aos cargos políticos, em sua maioria, são oriundas de famílias de políticos e herdam os votos de pais, maridos, irmãos etc. Recentemente, algumas poucas mulheres, originárias de movimentos sociais, têm sido eleitas. Nas eleições de 2012, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) foram eleitas 657 prefeitas (11,84% do total) e 7.630 vereadoras, que representam apenas 13,32% dos eleitos. Nas eleições de 2010, quando a presidente Dilma Roussef se tornou a primeira mulher a assumir a Presidência do Brasil, apenas duas governadoras foram eleitas, entre os 26 estados brasileiros. A pouca presença da mulher na política foi, inclusive, ressaltada no relatório de Desenvolvimento Humano de 2014 das Nações Unidas, no qual o Brasil ocupa 85º lugar no item Desigualdade de Gênero, dentre 149 países analisados. Ou seja, apesar de sermos 52% de eleitoras e termos a Presidenta da República, nosso país ainda é marcado por grandes desigualdades e discriminação contra as mulheres. Ao analisar a situação da mulher brasileira nos deparamos com uma enorme contradição: somos presidenta, ocupamos cargos de direção e chefiamos famílias, no entanto, sofremos violências e abusos no trabalho, no lar e nas ruas. Isso demonstra claramente a postura machista e discriminatória reinante no nosso Brasil. Ao chegar na disputa eleitoral a situação da mulher candidata se torna ainda mais complexa, alvo de piadinhas de mau gosto ou de olhares de desdém, as mulheres tem que provar a todo instante que não estão brincando e que tem propostas sérias e qualificação para ocupar os cargos que pleiteiam. Internamente, em suas coligações partidárias, as mulheres são desprestigiadas e colocadas apenas para cumprimento das cotas de 30% e se espera delas que atuem como candidatas laranjas, ou seja, que emprestem seus nomes e fiquem em casa. Reflita e pense nas candidatas da sua cidade, quantas aparecem, como são tratadas na imprensa ou melhor, se são mencionadas na imprensa. Tem cidades em que se vê nitidamente que a candidata mulher vinculada a família de políticos tem espaço na mídia impressa ou digital a todo instante, enquanto as demais tem de realizar atividades mirabolantes para ter algum destaque e algumas são tratadas como se não existissem. Mas, a mulher está acostumada a desafiar e a vencer a invisibilidade. Vamos ver a nossa história enquanto mulheres: Trancafiada como rainha do lar por séculos, tendo sua atividade de tarefas domésticas totalmente menosprezada, agora se torna visível quando tem a possibilidade de aposentadoria de dona de casa. A mulher teve sua saúde e seu corpo tratados de forma invisível até que por força das próprias mulheres, surgiram os programas de saúde integral da mulher e, descobriu-se também que a mulher casada podia ter prazer sexual e não apenas reprodutivo. Para a mulher a sociedade destinou os papéis de mãe e cuidadora, no entanto quando deseja ter outras funções, a sociedade desconfia de sua capacidade, como pilotar aviões, por exemplo. E a mulher foi lá e provou que é capaz. E a situação da violência contra a mulher, antes restrita aos lares, sob a regra de que em briga de marido e mulher ninguém mete a colher, a violência saiu do âmbito privado e se tornou alvo de políticas públicas e de leis que coíbem e punem o agressor de mulheres. E aí chegamos na política, mais uma vez “invisíveis” em um mundo dominado por homens. Nossos problemas foram invisíveis no lar, no mundo do trabalho, na escola e nas ruas. Agora sabemos propor soluções para nossos problemas, queremos escola em tempo integral, queremos saúde integral em todos os ciclos de nossas vidas, queremos desenvolvimento sustentável, queremos o fim da violência contra a mulher e de toda a forma de discriminação, queremos ser respeitadas e tratadas como cidadãs que podem contribuir muito para melhorar ainda mais a vida das pessoas. Temos conosco a nossa história de superação como mulheres em todas as áreas e temos força suficiente para plantar sementes que florescerão a ponto de que nossas mulheres quando tiverem vontade de ser candidatas, não mais serão vistas como “laranjas”, mas sim como mulheres que tem muito a contribuir para o fortalecimento da nossa democracia e para a sociedade brasileira. E, podemos começar agora a fazer a diferença! • Tania Tait, maringaense, candidata a deputada estadual, professora universitária, escritora, doutora em engenharia de produção, coordenadora licenciada da ong Maria do Ingá-Direitos da Mulher e do Forum Maringaense de Mulheres.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

A UEM é a 23º melhor instituição do Brasil.

A UEM é a 23º melhor instituição do Brasil, graças ao esforço de professores, funcionários e alunos. Mesmo diante de um governo estadual que deixa as universidades estaduais paranaenses abandonadas, a comunidade universitária reage e coloca a UEM entre as melhores do país. Orgulho pra todos e todas nós.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

"O leite não vem da caixinha"

A frase “o leite não vem da caixinha” dita por minha prima e amiga Margarete Calvi cai muito bem no momento político atual que vivemos. Por um lado temos as política sociais voltadas para quem realmente precisa como Minha Casa Minha Vida, Brasil Carinhoso, Bolsa Família, FIES, entre outros, implementados pelos Governos petistas Lula e Dilma. Do outro lado temos pessoas que não se lembram ou não passaram por dificuldades antes dessas políticas sociais pois depois que somos beneficiados parece que os serviços sempre estiveram ali em nossas vidas.
Mas, nem sempre foi assim. Houve um tempo em que as pessoas não conseguiam ter casa própria, não tinham carro, nem viajavam e, mais do que tudo, não se alimentavam adequadamente. Com as políticas públicas de Dilma, reforçando o trabalho iniciado por Lula, o povo brasileiro obteve qualidade de vida e pode concretizar o sonho da casa própria e da formação universitária para seus filhos e filhas. E onde entra o leite e a caixinha? Exatamente aí, as políticas públicas não existiam antes e não caíram do céu. Podemos comparar com o leite que vem da vaca e não da caixinha que compramos no mercado, ou seja, as pessoas esquecem o que existe por trás de tudo o que temos no Brasil. Então vamos refletir: se existem as políticas públicas que beneficiam a população é por que existe um governo comprometido com a melhoria de vida do povo brasileiro e uma presidenta que trabalhou muito para garantir nossa qualidade de vida. Dilma é seu nome!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Entrevista Tania Tait no Candibook da Gazeta do Povo

Para ouvir nossa entrevista na Gazeta do Povo entre em: http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/eleicoes/2014/candibook/candidato/tania-fatima-calvi-tait-tania-tait-pt-13789/

domingo, 31 de agosto de 2014

Candidatura a Deputada Estadual no Facebook

Para acompanhar nossa candidatura a deputada estadual Tania Tait 13789 visite, curta e compartilhe nossa página no facebook: www.facebook.com.br/taniatait13789

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Para não esquecer a cavalaria em cima de professores em 1988!

A APP-Sindicato marcou o dia 30 de agosto como Dia de luto e luta na educação! A data foi escolhida em memoria do fato ocorrido em 30 de agosto de 1988 quando o Senador Alvaro Dias era Governador do Paraná e mandou soltar a cavalaria em cima de professores e professoras que se manifestavam por melhorias na educação em seu governo. Ele que se dizia professor...e ainda posa de bom moço...Hora de mudar de senador! Muitos professores e professoras sairam feridos da manifestação e , infelizmente, o povo paranaense elegeu ex-governador Alvaro Dias como senador da república por três mandatos. Esta na hora do povo paranaense valorizar seus profissionais da educação e dar um basta na nossa péssima representação no senado. Temos opção de troca! A opção se chama Ricardo Gomyde Senador 650. A APP informa que neste ano, a manifestação será na sexta-feira (29) com concentração a partir das 9 horas da manhã na Praça Santos Andrade, em Curitiba.

domingo, 10 de agosto de 2014

O amor mais verdadeiro.

Essas datas comerciais são muito danadas e acabam por serem incorporadas nas nossas vidas. Hoje, dia dos pais, acordei mais sensível do que normalmente sou, apesar de uma amiga do movimento de mulheres ter tido que sou muito prática e não me imagina “olhando estrelas”. Sou sim, muito sensível e olho as estrelas e a lua...Mas, vamos falar dos pais. Tive a sorte de ter os pais que tive e, peço licença a minha mãe, Laura, para falar do meu pai, Angelo Tait. Um pai amigo acima de tudo e que sempre esteve presente em nossas vidas. Faz 9 anos que ele foi “antes do combinado”, como diz o Rolando Boldrin, mas sua presença está entre nós de forma muito forte e carinhosa. Lembro de algumas frases ditas por ele e de sua postura em momentos marcantes da minha vida: na época das filhas adolescentes: “mesmo se ficar cansada, nunca desista das filhas”; na separação “ a casa é sua, pode voltar a hora que quiser”; sobre as mulheres nos anos 1990: “as mulheres não aguentam mais os maridos porque são autônomas e estudadas hoje em dia”; na militância política, no movimento estudantil lá nos início dos anos 1980: “cuidado que muita gente sumiu por aqui por ser contra o governo militar”; sobre a honestidade: “a melhor coisa que tem é deitar a cabeça no travesseiro e dormi com a consciência limpa” ... Tivemos muitos momentos juntos. Alguns ficaram como lições de vida. Fomos companheiros de viagens e de passeios no Parque Exposição e na Festa das Nações. Quando era criança, com 5 anos, peguei uma borrachinha daquelas pequenas na feira. Quando chegamos em casa, ele viu e perguntou se eu paguei. Eu disse que não. Voltamos na feira, ele me fez devolver a borrachinha para o dono da banca, me pediu pra perguntar quanto custava, me deu o dinheiro e falou pra pedir e pagar a borrachinha. Com 6 anos, levei a única chinelada da minha vida: fiz a tal manha do “quero quero”. Nunca apanhei...Na adolescência, tinha que brigar pra passear e cumprir horário de retorno as 22 hs. Quando fechei o boletim no terceiro ano, com tudo 100,0 (é gente, eu nasci CDF), ele me deu uma boneca Susi, caríssima na época. Quando passei no vestibular. Ele foi me buscar de caminhão. Eu estava toda suja de ovos, farinha, água e pintada de baton pela minha prima Rose. Mas, ele não me trouxe pra casa, me levou na vó Marianna pra ela me ver e me abraçar. Ficou tão emocionado que não via a minha sujeira nem o cheirinho forte dos ovos nos meus cabelos. Orgulhoso e feliz no casamento levando a filha, no nascimento das netas, no concurso da UEM e tantos outros. No aniversário de 15 anos da Mariana, minha filha, primeira neta, ficou muito emocionado e começou a chorar e quando pedimos pra fazer a oração do Pai Nosso, eu o chamei pra ir na frente e os convidados pensaram que era pra começar a oração e continuaram...”Pai...”. Dava bronca nas meninas e ao mesmo tempo paparicava, misto de pai e avô. A Ana Carla anda com a foto dele na carteira. Nos visitou em Florianópolis, na época do doutorado. Aí nos fomos comer o prato típico da Ilha da Magia, “Sequência de Camarão”. Ao término do jantar: “só isso? Não tem um bife?” Nas eleições de 2004, meu pai se revelou um fantástico cabo eleitoral. Relutante em votar no Lula em 1989, se rendeu a filha “abobrinha” terrível, votou em 2002, sempre alegando que os militares não deixariam o Lula assumir, se ganhasse. Ainda bem que errou no diagnóstico. Coma filha, candidata a vereadora em 2004, me levou a todos os seus conhecidos, casas, oficinas mecânicas, auto peças, em empresas e locais que eu nem imaginava existir. Aos 71 anos, quando ficou internado pelo segundo infarto, ficava contando orgulhoso para auxiliares de enfermagem, enfermeira e médica que os três filhos eram formados pela UEM e que todos estavam bem. Não esteve presente na comemoração do seu aniversário naquele ano, junto com o dia das mães como sempre fizemos... Eu tive muita sorte na vida, a começar por ter tido os meus pais. Fica a saudade, os bons momentos e as lições que passou prá nós, de honestidade, integridade e amor incondicional. Vou parando por aqui, por que a sensibilidade está muito aflorada...desejo a todos os pais, um Feliz Dia dos Pais, que Deus os proteja nessa linda missão e que possam ser amigos dos seus filhos e filhas. Desejo também que filhos e filhas amem seus pais e em tudo que fizerem, lembrem sempre do esforço e da dedicação dessas criaturas de Deus que querem apenas o nosso bem e a nossa felicidade.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Senadora Gleisi Hoffmann em Maringá

CONVITE: Sábado, dia 02, em Maringá, presença da nossa futura Governadora Gleisi Hoffmann no lançamento do Comitê de Campanha Eleitoral. Local: Av. Colombro, 2233 - em frente ao Parque Exposição. Vamos todos e todas participar! Mudar é seguir em frente! Muda Mais!

terça-feira, 29 de julho de 2014

Professora Tania Tait 13789 Deputada Estadual

Motivada, principalmente pela luta das mulheres, aceitei o desafio de disputar uma vaga na Assembléia Legislativa do Paraná. Sabemos que somos a maioria da população, no entanto, na política somos apenas 8% de mulheres. Na Assembléia do Paraná temos apenas 4 deputadas entre as 54 cadeiras. Sabemos, também, que a atuação da mulher na política faz toda a diferença, principalmente com relação a projetos que melhorem a vida das pessoas, a ética e responsabilidade, calcadas na competência e seriedade, como tem feito a Presidenta Dilma e a Senadora Gleisi Hoffmann. Por isso, peço seu voto e apoio. Visite nossa página no facebook: www.facebook.com.br/taniatait13789 e acompanhe nossa campanha eleitoral. Tania Tait 13789

sábado, 19 de julho de 2014

Tania Tait 13789 no Facebook

Amigas e amigos, criamos uma página no facebook: www.facebook.com.br/taniatait13789 para as informações sobre a campanha eleitoral para deputada estadual. Continuamos também com o face Tania Tait, o blog taniatait.blogspot.com e o twitter Tania Tait. Vamos a luta, temos muito trabalho a fazer!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

AGORA É QUE SÃO ELAS E ELES QUE AS APOIAM!

Visite a página www.facebook.com.br/taniatait13789

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Absurdo: ônibus só para mulheres

Estranhamos a política de segregar as mulheres ao invés de educar os homens. Em reportagem, soubemos que a Câmara de Vereadores de Maringá está com projeto para criar ônibus especial para mulheres em horário de pico. Será que daqui a pouco, aos invés de educar nossos homens, vamos ter que voltar a ter escolar separadas, locais de trabalho separados? O que pregamos é a igualdade, o respeito e a liberdade. Separar as mulheres em ônibus especial não contribui para o fim da violência contra a mulher!

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Respeito e Responsabilidade!

Agora é que são elas e eles que as apoiam!

AGORA É QUE SÃO ELAS E ELES QUE AS APOIAM!
Tania Tait - Deputada Estadual - 13789 Enio Veri - Deputado Federal - 1330 Ricardo Gomyde - Senador - 65 Gleisi Hoffmann - Governadora - 13 Dilma - Presidenta - 13

segunda-feira, 7 de julho de 2014

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Mundos dos homens, a mulher e a política

Artigo publicado no jornal O Diário de Maringá, em 27/06/2014. Ao pesquisar a história das mulheres depara-se com a mulher ocupando sempre um espaço subalterno, seja qual for a cultura, a classe social ou grau de escolaridade. Em alguns povos, a situação é de invisibilidade da mulher, em outras é um machismo camuflado. O Brasil está classificado como um país de “machismo camuflado”, pois nossas mulheres trabalham, estudam e participam de quase tudo, no entanto são violentadas, assassinadas e são desprestigiadas quando assumem funções de tomada de decisão.... http://digital.odiario.com/opiniao/noticia/843772/mundo-dos-homens-mulher-e-politica/

domingo, 22 de junho de 2014

Homenagem a líder feminista Rose Marie Muraro

Uma das maiores representantes do movimento feminista no Brasil, Rose Marie Muraro morreu, na manhã deste sábado, aos 83 anos, em consequência de problemas respiratórios. Ao longo da vida, escreveu 44 livros — como "Os seis meses em que fui homem" (1993), "Por que nada satisfaz as mulheres e os homens não as entendem" (2003) — que venderam mais de 1 milhão de exemplares. Em 1999, ela contou sua história na autobiografia "Memórias de uma mulher impossível".
Tive o grande prazer de assistir uma palestra com Rose Marie Muraro no Rio de Janeiro nos anos 1980 e me lembro dela dizendo" voces meninas não tem noção da liberdade de poder ir e vir que tem hoje, nos anos 1960 nós não podíamos sentar em uma bar porque éramos tiradas pela polícia, bar era coisa de homens e prostitutas...Valorizem mais nossa liberdade" Muitas conquistas foram obtidas e muitas virão com nossa força. Descanse em paz Rose Marie Muraro, com a sua missão cumprida.

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Participantes e cúmplices da violência contra a mulher

Artigo de minha autoria publicado na Gazeta do Povo, no link: http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?id=1477100&tit=Participantes-e-cumplices-da-violencia-contra-a-mulher

sábado, 14 de junho de 2014

Dilma, nossa grande Presidenta!

Protestar é uma coisa, falta de educação é outra, E quando a política é uma mulher, a turba enfurecida e machista, age pior ainda. Vamos discutir projetos para o Brasil. Concordar e discordar faz parte do processo democrático, felizmente. Mas, respeito, sempre é muito bom e muito bem vindo! Quem merece as vaias é a elite que envergonha o nosso país desde sua colonização.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

7 em cada 10 mulheres são, ou virão a ser, vítimas de agressão (dados da ONU)

Segundo dados da ONU (Organização das Nações Unidas), 7 em cada 10 mulheres no mundo são, ou virão a ser, vítimas de agressão por parte de parceiros, familiares ou desconhecidos. Abuso físico, ameaças, intimidação psicológica, assédio e violação sexual estão entre os principais casos. Estatísticas do Banco Mundial indicam que mulheres de 15 a 44 anos correm mais risco de estupro e violência doméstica do que de desenvolverem câncer, passarem por acidentes de carro, guerr
a ou malária.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Redes sociais digitais: necessidade ou vício?

Publicado na Gazeta do Povo, em 29/04/2014, por Tania Tait. Com o advento dos aparelhos móveis e a ampliação dos recursos dos celulares, a expansão da Internet se dá de forma assustadora e seu uso passa de esporádico para instantâneo. Essa evolução, ao fortalecer o paradigma de “computador onde a pessoa se encontra, a qualquer hora e lugar”, referindo-se aos “aparelhos móveis”, modifica também comportamentos como o chamado “Vício Eletrônico” que significava o vício das pessoas que não conseguiam se deligar de seus computadores para entrar nas redes sociais, jogar, fazer comentários ou verificar o que está sendo postado. Hoje, a situação se torna mais complexa e alarmante. Basta observar ao redor: pessoas caminhando e usando celular; pessoas em bares e restaurantes que não interagem com outras pessoas, mas com seus aparelhos. Crianças e adolescentes conectados o tempo todo. Adultos usando aparelhos de comunicação em festas e cerimônias formais. Imagens sendo postadas e divulgadas em cada momento. O chamado vício agora se irradia pois as pessoas podem acessar suas informações em qualquer lugar e horário pois carrega os aparelhos consigo. Ao lado dos inúmeros serviços ofertados na Internet tais como a realização de pesquisas, serviços bancários, de serviços públicos e a comercialização de produtos e serviços, entre outros, encontra-se uma forma de comunicação via redes sociais, que se tornou parte do dia-a-dia das pessoas em todo mundo. O próprio conceito de redes sociais é antigo e indica a integração de pessoas que tem um objetivo comum e se comunicam para compartilhar idéias ou realizar ações conjuntas. No caso das redes sociais digitais, essa comunicação se dá por meio de uma tecnologia, que fornece acesso por meio de diversos tipos de aparelhos (celulares, tablets etc). Cada vez mais atraentes, as redes sociais são utilizadas, também pelas empresas na promoção de seus bens e serviços, com base no perfil dos usuários e seus interesses. Há uma estrutura para capturar as informações via redes sociais e transforma-las em conteúdo pra marketing e propaganda, para captar novos clientes ou garantir os existentes. Percebe-se, entretanto, que as redes sociais digitais possuem um tempo de vida útil. A rede social digital mais utilizada, atualmente, começa a apresentar desgastes devido o uso de “correntes”, pensamentos de autores que nem sempre são verídicos, comentários pagos por partidos políticos e excesso de propagandas de empresas na comercialização de seus produtos e serviços. Essas informações descaracterizam o que, inicialmente, seria utilizado para que as pessoas se comunicassem. Além dos problemas psicológicos de vício e isolamento social que estão sendo estudados, não se pode negligenciar outros itens no quesito saúde, devido á radiação e o contato direto com os aparelhos que trazem problemas tais como: diminuição da visão, tendinite, dor nas costas, má postura, ansiedade, entre outros. Destaca-se, por sua vez, o lado fantástico dessa tecnologia que possibilita comunicação em tempo real, com fotos, imagens e comentários, o que pode aproximar as pessoas e coloca-las a par dos acontecimentos familiares, de relacionamentos e de acontecimentos de interesse público, mesmo a longa distância. Inclusive, comenta-se que as pessoas nunca escreveram ou leram tanto como após o advento das tecnologias de informação e comunicação. Não vamos entrar aqui no mérito do que e de como se escreve, o que tem se configurado na preocupação dos professores e professoras de língua portuguesa pela qualidade duvidosa e pelos incontáveis erros de escrita que circulam pela Internet. Enfim, devemos aprender a dosar o uso das novas tecnologias de comunicação para que seus benefícios possam ser aproveitados de maneira a contribuir para a real aproximação e compartilhamento entre as pessoas, com liberdade e não como escravidão e dominação.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Evento nacional sobre Iniciação Científica em Sistemas de Informação

Ontem, 27/05, em Londrina, tive a satisfação de coordenar o I Workshop de Iniciação Científica de Sistemas de Informação como parte do X Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação. A iniciação científica é a base para formar futuros pesquisadores em todas as áreas de conhecimento. Com essa convicção, a Comissão de Sistemas de Informação da Sociedade Brasileira da Computação criou o evento I Workshop de Iniciação Científica (I WICSI) como forma de conhecer e estimular a Iniciação Científica na área de Sistemas de Informação. Assim, o objetivo do WICSI é incentivar o desenvolvimento de pesquisas de iniciação científica e, para tanto, busca estimular a comunidade de SI a apresentar seus trabalhos nos vários temas relacionados a Sistemas de Informação. Os trabalhos enviados para o evento vieram de vários estados do Brasil mostrando as pesquisas de iniciação científica na área de sistemas de informação com apoio para democracia eletrônica, redes sociais digitais, segurança das informações, meio ambiente, saúde, entre outros. Trata-se de um momento importante para o fortalecimento dos futuros pesquisadores pois os apresentadores são alunos de graduação que ainda não terminaram seus cursos de graduação. Para 2015 está prevista o II WICSI dado o sucesso alcançado no primeiro evento.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Falta de Informação e a Violência contra a mulher

Temos realizados muitas palestras e oficinas pela ong Maria do Ingá-Direitos da Mulher com públicos distintos desde mães atendidas em serviços sociais até profissionais formados e estudantes de universidades. E o que chama a atenção é a total falta de informação que as pessoas possuem sobre os serviços de atendimentos às nossas mulheres. Quando perguntamos “Onde fica a Delegacia da Mulher de Maringá?” Poucas pessoas sabem e quando respondem indicam o endereço antigo. O que não dizer, então, dos serviços de atendimentos que são prestados às nossas mulheres vitimadas nas áreas de assistência social, jurídico e psicológico? Ninguém sabe... Em 2003, na Gestão do Presidente Lula, com a criação da Secretaria Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres, houve incentivo e envio de recursos para a criação de secretarias das mulheres nos municípios. Posteriormente, o governo federal enviou recursos para a criação dos CRAMs, como são chamados os Centros de Referência de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência. A Lei Maria da Penha, promulgada em 2006, colaborou, por sua vez, para a formação de uma Rede de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres, da qual fazem parte os CRAMs, as Delegacias da Mulher, os Institutos Médicos Legais e as Varas da Mulher. No entanto, além da falta de informação dos serviços prestados à população, existe falta de integração entre os organizamos municipais e estaduais de atendimento. Dessa forma, Delegacias da Mulher e CRAMs não são integrados; a Lei Maria da Penha não é implantada na prática etc. Além de existir muitas reclamações de vítimas sobre a falta de humanização de atendimentos nesses órgãos públicos. E os índices de violência e assassinatos de mulheres continuam alarmantes, desafiando a rede de enfrentamento à violência contra a mulher e mostrando a necessidade de revisão desses serviços e sua integração e, principalmente, a necessidade de levar informação para as pessoas sobre onde e como obter auxílio e orientação em casos de violência contra a mulher. Investimento público tem sido realizado, a Lei Maria da Penha existe, os órgãos públicos existem, então, vamos refletir, sobre o que falta para dar um basta nesse quadro vergonho e machista que o nosso país e o nosso Estado do Paraná enfrentam de violentar e assassinar suas mulheres. Vamos dar mais informações sobre a Rede de Enfrentamento contra a violência contra a mulher e o apoio que as nossas mulheres vitimadas devem buscar antes que se tornem mais um número na triste estatística de mulheres assassinadas.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Ong Maria do Ingá-Direitos da Mulher no Combate a Homofobia

Ontem, 15/05, a Ong Maria do Ingá - Direitos da Mulher (www.mariadoingamulher.blogspot.com) coordenou o debate Mulheres pelo fim da Homofobia, com as integrantes Valquiria Francisco e Tania Tait. O trabalho envolveu o público com os temas: Onde está a homofobia e o que fazer para combate-la. Hoje, 16/05, o debate será Amigos e familiares LGBT, com a coordenadora Margot Jung. A III Semana de Combate a homofobia está sendo realizada no Auditório do Sinteemar (ao lado da UEM), sempre as 19:30 hs. Todos e todas são convidados.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Mulheres pelo fim da homofobia

Hoje temos o debate "Mulheres pelo fim da homofobia" com a ong Maria do Ingá-Direitos da Mulher como parte da III Semana Maringaense de Combate à Homofobia", coordenado pela AMLGBT - Associação Maringaense LGBT Será as 19:30 hs no Auditório do Sinteemar (ao Lado da UEM). Todas e todos são convidados!

segunda-feira, 12 de maio de 2014

III Semana Maringaense pelo fim da homofobia.

Mulheres pelo fim da homofobia.
A ong Maria do Ingá - Direitos da Mulher participará da III Semana Maringaense de Combate à Homofobia organizada pela AMLGBT (Associação Maringaense de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) . Vamos realizar a atividade do dia 15 de maio (19h30 no Auditório Sinteemar): Mulheres pelo fim da Homofobia. Veja a programação completa da III Semana LGBT: 12 de maio (19h30 na ICM Maringá) Encontro sobre Visibilidade Trans 13 de maio (19h30 no Auditório Sinteemar) O papel da Juventude na Luta Contra a Homofobia 14 de maio (19h30 no Auditório Sinteemar) Escola sem Homofobia 15 de maio (19h30 no Auditório Sinteemar) Mulheres pelo fim da Homofobia 16 de maio (19h30 no Auditório Sinteemar) Encontro de Pais, Mães e Familiares de LGBT 17 de maio (14h em frente à Câmara de Maringá) Dia Mundial, Nacional, Estadual e Municipal de combate à Homofobia 18 de maio (14h na Praça da Prefeitura)

sábado, 10 de maio de 2014

Parabéns Maringá pelo Aniversário!

10 de maio - aniversário de Maringá. Sou maringaense, vi a cidade crescer, vi e participei de muitos dos acontecimentos da cidade ao longo de sua existência. O que não vi, ouvi dos meus avós e dos meus pais, pioneiros que chegaram aqui nos anos 1940 e 1950. Fico entristecida com o que ainda vejo: uma cidade-canção que não valoriza sua música e seus músicos; uma cidade-verde que não respeita a natureza; uma cidade que não recicla; que não facilita a vida de seu povo com transporte de qualidade; não cuida da saúde de suas filhas e filhos; uma cidade que apenas enxerga o progresso como calçada... Mas, mesmo diante de tudo que vejo, sou feliz em ser maringaense e poder fazer parte da cidade. Parabéns Maringá pelo seu aniversário! Parabéns ao nosso povo lutador!
Fotografado por mim, nos anos 1990 - Av. Pedro Taques florida, sem a ciclovia.

Feliz Dia das Mães!!!!

Sabemos a delícia de ser mãe. Mesmo com todo o trabalho e a tentativa de combinar profissão e a casa com filhos e filhas, sabemos que sempre vale a pena. Um dia, vão se virar pra nós e dizer: "mãe voce fez um ótimo trabalho com a gente"... E aí a gente abre um sorriso e pensa: "ouvir isso, não tem preço" E mãe continua assim: toda mãe, sempre mãe. Parabéns! E que Deus proteja e abençõe todas as mães nessa gratificante missão. Parabéns mãe!!!! Se avó é mãe 2 vezes, bisavó é mãe 3 vezes!!! com muito açucar!